Home
História Slowly
Tunafish
Tunafish | 🇧🇩 Bangladesh
Procurei um ouvinte, encontrei uma amiga e depois a perdi.

Originally written in English. Translated by Malorie.

Eu sou a escuridão na luz

Era o que o perfil dela dizia. Na verdade, ela era luz na escuridão que gira em torno do meu mundo. Conhecemos o sistema de correspondência automática SLOWLY e, nas primeiras cartas, foram realmente tentativas robóticas e desajeitadas de encontrar uma conexão comum.

Ela era uma acadêmica séria, com um profundo fascínio pela música e pela cultura. Buscadora de aventuras fanáticas, sua idéia de diversão era pular de uma ponte, avião ou algo mais. Ao mesmo tempo, ela respeitava profundamente os antecedentes e a cultura a que pertencia. Eu, por outro lado, sou nerd de tecnologia com séria alergia a atividades físicas. Onde ela gostava de fazer longas viagens de carro nos fins de semana em um país em que dirigir com mulheres ainda é desaprovado, eu nem sei andar de bicicleta corretamente e, principalmente, encontrar uma posição confortável de dormir. Embora tenhamos compartilhado a língua materna comum, tínhamos país, cultura e aspirações separados.

No entanto, acabamos trocando quase 200 cartas nos próximos 6 meses. Depois de descobrir por acidente nosso amor zeloso pelos biriyani, sabíamos que éramos inseparáveis. Com cada carta, compartilhamos mais e mais de nossa vida cotidiana e medos. Os dilemas que tivemos as conquistas que estamos procurando.

Nós brincamos juntos em nossa antipatia mútua por tias intrometidas. Debatemos sobre a utilidade de ter macaco como animal de estimação. Eu era sua fonte de bravura quando ela enfrentou perspectivas de casamento arranjadas e indesejadas. Ela agiu como a voz calmante dos sentidos quando minha vida profissional estava balançando na tempestade de incerteza.

Respeitamos a individualidade um do outro e aceitamos a diferença da maneira mais otimista. O dia parecia incompleto se não houvesse uma carta dela.

Sua última carta foi em 1 de janeiro de 2018. Foi escrita em Bengali, mas usando letras em inglês, o que era muito estranho para ela. Apenas dizia: “Tudo está perdido. Tenha um ótimo ano novo”. Ela nunca escreveu novamente nem respondeu minhas cartas.

Em todas as cartas que compartilhamos, nunca revelamos nossos nomes verdadeiros ou localização exata ou o que realmente fazemos. Li e reli todas as centenas de cartas que escrevemos, buscando pistas para descobrir onde ela está ou quem ela era. Passei dias procurando por ela, vasculhei as mídias sociais com diferentes combinações de seu nome rápido, procurei o registro de possíveis locais de trabalho que ela poderia estar trabalhando.

Perder alguém, por qualquer motivo, é doloroso. Talvez exista um tipo de beleza em perder um amigo. Queima, brilha e nunca é contaminado pela realidade ou pelo uso excessivo.

Para Papri, onde quer que você esteja e como estiver.

 Envie sua história

SLOWLY

Conecte-se com o mundo agora!