Início
História Slowly
Jace
Jace | 🇺🇸 Estados Unidos
Favoritas do Editor

Originally written in English. Translated by Matheus Mota Ribeiro ( Math01839 ).

Sempre me senti um pária na vida. Eu era a ovelha negra da família, sofria bullying sem parar na escola e entre ter vários transtornos mentais, como TDAH, depressão e ansiedade, era difícil me conectar realmente com as pessoas, porque ninguém sabia como lidar com elas. mim. Não ajudou que meu pai estivesse nas forças armadas, o que significava que nos mudávamos muito e eu frequentemente perdia contato com os poucos amigos que tinha. Eu também era a garota estranha que encontrou mais conforto em conversar com meus professores do que em conversar com meus colegas. Por causa disso, eu sabia o que era a verdadeira solidão em uma idade muito jovem.

Um dos meus melhores amigos recomendou Slowly para mim. Ela me contou como uma de suas amigas tentou e adorou, e que eu deveria dar uma olhada. Sempre desconfiei de conhecer novas pessoas, especialmente online, mas decidi que diabos, por que não? Então, me inscrevi e enviei minha primeira carta. Não demorou muito para eu estar conversando com algumas pessoas de todo o mundo, e fiquei ansioso para ler cada carta, além de responder ao máximo possível. Conheci alguns bons amigos, mas isso mudou quando enviei uma carta para um usuário na Inglaterra.

Ele foi imediatamente caloroso e amigável comigo, e senti que podia confiar nele. Conversávamos o máximo que podíamos, provocando um ao outro por nossas nacionalidades (sou americano, então existem algumas diferenças entre a cultura dele e a minha). Trocamos nomes do Instagram e conversamos quase todos os dias. Ele não é apenas um bom amigo, ele é meu melhor amigo. Nós nos vimos através do nosso pior e através do nosso melhor. Chamamos o vídeo, enviamos pacotes de Natal, mesmo que planejemos finalmente nos encontrar. Vai demorar um pouco, por estarmos na escola e ter que economizar muito dinheiro, mas sei que conseguiremos administrar bem. Ele está no meio do mundo e eu me sinto mais perto dele do que a maioria das pessoas.

Uma segunda carta mudou minha vida também, uma carta da Espanha. Foi inesperado, mas divertido de ler. As cartas foram ficando cada vez mais longas, e nossa amizade cresceu com cada palavra que escrevemos. Conversamos sobre nossos muitos interesses, assim como nossos sonhos para o futuro e até compartilhamos receitas! Ele falou sobre windsurf e vela, enquanto eu falei sobre patinação no gelo e meus projetos de arte. Quando ele soube que eu estou aprendendo a língua de sinais americana, ele ficou imediatamente fascinado por eu poder manter uma conversa sem nenhuma palavra falada. Eu expliquei que parece que estou dançando com as mãos. Ele quer que eu ensine a ele ASL (que, a propósito, a Espanha não usa. Eles usam a língua de sinais espanhola e é bem diferente da língua de sinais americana) e, como surpresa, eu tenho tentado aprender um pouco de espanhol . Ele é uma pessoa muito solidária e otimista, e me vejo ansioso por cada carta que ele envia. Suas cartas tornaram minha vida um pouco mais emocionante e me deram algo pelo que esperar, além de colocar um sorriso no rosto quando sinto vontade de chorar.

Sem eles, não tenho ideia de onde estaria. Espero que todos possam encontrar alguém com quem se sintam tão perto. Então, obrigado, lentamente, por me dar a oportunidade de conhecer essas pessoas maravilhosas.

 Envie sua história

SLOWLY

Comece a conectar-se com o mundo agora!